Porto Alegre avança e prevê estratégia resiliente para 2015

A estratégia tem foco no desenvolvimento totalmente integrado entre os setores do município com envolvimento e a contribuição da sociedade civil.

06 de jul de 2015

Reprodução

A Cidade de Porto Alegre vem trabalhando ativamente no desenvolvimento de uma estratégia de resiliência, desde o início do ano de 2014, quando foi selecionada pela Fundação Rockefeller para formar o grupo das 100 cidades do mundo participantes do Desafio de Resiliência. A estratégia tem foco no desenvolvimento totalmente integrado entre os setores do município com envolvimento e a contribuição da sociedade civil.

Sob esse olhar, no começo desse mês, os gerentes dos programas de gestão da Prefeitura ligados à Secretaria Municipal de Planejamento Estratégico e Orçamento (SMPEO) se reuniram com a equipe do Projeto Porto Alegre Resiliente para fazer uma avaliação das ações estratégicas sob os critérios de resiliência. As ações foram classificadas de acordo com as sete qualidades da resiliência – ser integrada, inclusiva, flexível, rica em recursos, reflexiva, robusta e redundante –.

O Plano de Mobilidade da cidade também é um dos exemplos do desenvolvimento integrado da estratégia resiliente, que projeta seus objetivos de acordo com os critérios para tornar a cidade mais resiliente. O Plano encontra-se em fase de discussão entre os gestores públicos e os participantes dos Grupos de Trabalho, criados para contribuir no desenvolvimento da estratégia.

Os Grupos de Trabalho (GTs) foram divididos de acordo com temas específicos como, Bem Viver, Diversificação da Economia, Mobilidade Humana, Prevenção de Riscos e Regularização Fundiária. No momento, estão sendo convidados especialistas para auxiliarem nas respostas e perguntas-chave e nas discussões. Os trabalhos dos GTs são coordenados por Cezar Bussatto, Secretário Municipal de Governança Local e Chief Resilience Officer (CRO) do Porto Alegre Resiliente.

Além das atividades nos Grupos de Trabalho, a Cidade também realiza a iniciativa ‘Comunidades Resilientes’. Como tentativa de aproximar a população do tema da resiliência, o Vice-CRO e articulador das Redes Locais de Resiliência, percorre as comunidades para estimular o debate e relacioná-lo com as atividades do dia a dia. Os representantes das 17 regiões administrativas da cidade participam das discussões da estratégia desde o começo da iniciativa.

O envolvimento das comunidades na elaboração da estratégia é uma das premissas estipuladas pelo Desafio da Fundação Rockefeller, que acontece todos os anos, e estipula cinco diretrizes diferentes todos os anos. Para este ano as diretrizes são: ter mulheres envolvidas no planejamento urbano e na resposta a desastres; encontrar formas inovadoras de usar tecnologias simples para resolver problemas de longa data; levar a sério o apoio aos transportes alternativos; pensar e integrar os dados existentes ao planejamento; repensar e inovar na alocação de espaços.

Também como parte da estratégia resiliente, Porto Alegre aderiu à campanha de Cidades Resilientes da ONU. A adesão foi realizada durante o 1º Workshop de Cidades Resilientes de Porto Alegre, onde o Prefeito José Fortunati, recebeu o certificado das mãos de David Stevens, representante da ONU no Brasil. A campanha tem por objetivo elevar o nível de comprometimento das cidades para práticas de desenvolvimento sustentável com o objetivo de diminuir vulnerabilidades. No Brasil, 344 cidades participam da campanha.

A previsão de finalização da estratégia de resiliência de Porto Alegre é para o final de 2015.

Para mais informações, acesse o site do Porto Alegre Resiliente.