ICLEI SAMS apresenta resultados preliminares do Projeto GeRes

Representantes de Cidades e especialistas em gestão de resíduos sólidos estiveram reunidos na UMAPAZ

08 de nov de 2014

Reprodução

Representantes de Cidades e especialistas em gestão de resíduos sólidos estiveram reunidos na UMAPAZ (Universidade Aberta do Meio Ambiente e da Cultura de Paz), em São Paulo, para a apresentação dos resultados preliminares do projeto Gestão Sustentável e Integrada de Resíduos Sólidos em Eventos, implementado pelo ICLEI em parceria com a Useful Simple Projects e financiado pela Embaixada Britânica.

 

O Projeto, iniciado em março de 2013, teve como principal objetivo a redução de emissões de gases do efeito estufa através da gestão de resíduos sólidos em grandes eventos. A princípio, idealizado para ser aplicado em eventos esportivos, em três Cidades, Recife, Rio de Janeiro e São Paulo, a iniciativa acabou seguindo outro caminho, e o foco passou a ser em eventos específicos do contexto regional de cada cidade, explica o Gerente de Mudanças Climáticas do ICLEI – Secretariado para América do Sul, Igor de Reis Albuquerque, responsável por sua implementação.

Portanto, em São Paulo a iniciativa foi aplicada na Virada Cultural, evento anual de 24 horas ininterruptas de duração com apresentações musicais, cinema, entre outros, na Cidade do Recife o carnaval, que reuniu aproximadamente 810 mil pessoas no ano de 2014, foi o escolhido para a aplicação, e na Cidade do Rio de Janeiro, a famosa festa de Ano Novo na Praia de Copacabana.

O Diretor de Sustentabilidade da Useful Simple Projects (USP), Dan Epstein, esteve presente no lançamento e ressaltou a importância da parceria com o ICLEI, dizendo, “O que nós atingimos em 7 anos é possível que outras organizações possam fazer em 3 anos através da nossa experiência”, sobre a iniciativa pioneira da USP na gestão de resíduos sólidos na Olimpíada de Londres 2012.

Dan Epstein também destacou a necessidade de um processo integrado na gestão de resíduos, que deve abranger desde o setor privado, a sociedade civil e o setor público. Em relação a sociedade civil, o Diretor disse que precisamos facilitar a vida dos cidadãos no momento de um evento, criando o caminho para que eles tomem a atitude certa em relação ao depósito de resíduos.

Os presentes citaram alguns exemplos de alternativas, como o investimento em design nos cestos de lixo, aplicação de etiquetas explicativas nos produtos, entre outros. Dan defendeu a criação de uma estratégia, não só integrada, mas também única, no qual as Cidades não precisariam perder tanto tempo elaborando suas próprias diretrizes e sim construir de forma conjunta um único plano a ser replicado por todas as Cidades que se mostrem interessadas.

Outra intervenção na roda de conversa foi realizada por Mervin Jones, Chefe de Programas Colaborativos da WRAP, do Reino Unido, que trabalhou em parceria com a Useful Simple Projects na gestão de resíduos sólidos das Olimpíadas de Londres. Mervin explicou que uma das principais limitações no início do projeto foi a dificuldade em obter informações e, muitas vezes, a não cooperação do setor privado com dados relevantes. Sobre isso, o especialista diz que o melhor caminho ainda é a insistência e a tentativa de mostrar ao setor privado que as vantagens também são econômicas.

Para sanar esse problema eles desenvolveram uma ferramenta digital na qual se pode estipular a geração de resíduos de um determinado evento através de um filtragem de informações fornecidas pelo usuário. Os resultados não são totalmente precisos com números exatos, mas servem como indicadores para um ponto de partida para a elaboração do plano.

Após alguns detalhes sobre a implementação do projeto, Igor de Albuquerque apresentou os resultados de cada cidade:

São Paulo: na figura da AMLURB – Autoridade Municipal de Limpeza Urbana, a Prefeitura intensificou algumas ações eco favoráveis na Virada Cultural de 2014, como a expansão da coleta de resíduos sólidos e a separação de forma adequada destes detritos. Aplicou a estratégia de compartilhamento de responsabilidade ambiental, principalmente com a instalação de Ecopontos.

Recife: Durante o carnaval de 2014, que reuniu 810 mil pessoas, foram instalados 268 contenedores (lixeiras grandes) em vários pontos da cidade. Foi aplicado o ‘Projeto Limpei Recife’, no qual foliões recolheram e entregaram latinhas e garrafas PET para os colaboradores da EMLURB que estavam vestidos com roupas divertidas, segurando uma placa com a identificação do programa e com um lixo colado nas costas.

Rio de Janeiro: no Ano Novo de 2013/2014 foram instalados 11 ecopontos com 22 contêineres (2 por ecoponto) para que a coleta seletiva ocorresse de maneira mais efetiva, e cerca de 400 garis trabalharam na manutenção da limpeza da orla.

Com a implementação do projeto, os principais legados que ficam para as Cidades envolvidas são: otimização da coleta de recicláveis, o aumento da participação da sociedade civil, a profissionalização dos catadores, diretrizes para compras sustentáveis e licitações e a aplicação tecnologias e inovação.

Guilherme Johnston, Gerente de Projetos da Embaixada Britânica no Brasil, encerrou o evento com algumas palavras de agradecimento e ressaltou o desempenho de todos os envolvidos durante a implementação do projeto. Estiveram presentes no evento Antônio Barbosa, Diretor Presidente da EMLURB da Prefeitura do Recife, representantes da AMLURB / Prefeitura de São Paulo, Secretária do Verde e Meio Ambiente do Estado de São Paulo, Secretaria Municipal de Relações Internacionais de SP, do Comitê Gestor Olímpico do Rio de Janeiro, da CETESB e representantes das Cidades de Itu, Campinas e Sorocaba.

 

Acesse o Manual para Gestão Integrada e Sustentável de Resíduos Sólidos em Eventos