Canoas lança o seu primeiro Inventário de Emissões de Gases de Efeito Estufa

Evento de lançamento do documento aconteceu nesta segunda-feira, dia 9 de novembro, e reuniu autoridades locais.

09 de nov de 2020

Crédito: Luiz Munhoz

Foi lançado nesta segunda-feira (9/11) o sumário executivo do primeiro Inventário de Emissões de Gases de Efeito Estufa (GEE) do município de Canoas, situado no Rio Grande do Sul.

 

O documento revela o perfil de emissões de GEE da cidade, identificando suas principais fontes e permitindo o desenvolvimento de estratégias ambiciosas de redução dessas emissões, bem como de mitigação dos impactos das mudanças do clima.

 

O evento de lançamento contou com a presença da prefeita em exercício de Canoas, Gisele Uequed, e do Secretário de Meio Ambiente do município, Alexandre Everaldo de Souza Farias.

 

“O Inventário vai nos nortear para dar os próximos passos em direção a um desenvolvimento sustentável, que nos forneça um ambiente adequado e que dê mais qualidade de vida para a população canoense”, afirma a prefeita Uequed.

 

A secretária executiva do Núcleo de Políticas de Mudanças do Clima da cidade, Vera Bini,  fará a apresentação dos principais resultados do Inventário ao lado de Iris Coluna, assessora de projetos do ICLEI América do Sul.

 

“Canoas já vem praticando alguns projetos ambientais, como implementação de energia fotovoltaica nas escolas, a retirada de lixo das ruas e as usinas de reciclagem”, observa Bini. “Queremos demonstrar a nossa capacidade para o mundo, buscando recursos de maneiras diferenciadas, sob óticas e perspectivas reais e mensuráveis.”

 

De acordo com os dados do Inventário, levantados pelas equipes técnicas da Prefeitura de Canoas, o total de emissões de GEE em Canoas em 2018 foi de 4.057.642 toneladas de CO2e. A principal contribuição para esse montante veio do setor de Energia Estacionária, especialmente pela produção de energia na Refinaria Alberto Pasqualini (Refap).

 

Ao se descontar essa fonte de emissões, observa-se um protagonismo do setor de transportes, principalmente devido ao consumo de óleo diesel e gasolina.

 

Com o mapeamento feito pelo Inventário, construiremos um plano de ação climática para minimizar as emissões de GEE”, observa Bini.

 

O gerente de projetos do ICLEI América do Sul, Igor Albuquerque, ressalta o comprometimento do governo local com a produção do material. “Somente com o engajamento da Prefeitura de Canoas e de seu corpo técnico foi possível lançarmos este Inventário.”

 

Albuquerque cita ainda um legado permanente que o Inventário deixa para a cidade: a articulação de um grupo técnico ativo e engajado, que demonstrou grande capacidade e conhecimento da agenda climática. “Que esse grupo não se desarticule e seja cada vez mais integrado às outras secretarias. O ICLEI apoia instrumentalmente, com metodologias e ferramentas, mas a importância do nosso trabalho é capacitar as equipes municipais para que esse conhecimento seja retido localmente. Assim, o conhecimento passa a ser do município, e não apenas de uma consultoria externa.”

 

Já Rodrigo Corradi, gerente de Relações Institucionais e Advocacy da organização, reforça a ideia de que o Inventário não é da Prefeitura, mas da cidade. “O documento reflete a realidade de um trabalho de engajamento de diferentes níveis e setores de Canoas”, acredita.

 

Corradi ressalta também que o Inventário é umas das etapas iniciais na ação climática local, sendo importante promover atualizações e revisões, bem como realizar constante aprimoramento do processo e articulação contínua com o grupo de trabalho e atores locais.

 

Próximos passos

 

Seguindo o compromisso firmado com o Pacto Global de Prefeitos pelo Clima e a Energia, em 2018, Canoas deverá avançar na implantação da agenda climática, com a elaboração de Análise de Riscos e Vulnerabilidade, para determinar a natureza e a extensão dos perigos climáticos enfrentados pela cidade. Esse caminho levará ao desenvolvimento de um Plano de Ação Climática, definindo metas de redução de emissões de GEE e ações de mitigação e adaptação à mudança do clima.

 

“Os dados nos mostram que o trabalho da prefeitura de Canoas já vem no caminho da Agenda 2030. Precisamos nos fortalecer e nos engajar para colocarmos a agenda climática como prioritária para o município”, conclui a prefeita Gisele Uequed.

 

Acesse aqui o relatório completo do Inventário de Emissões de Gases de Efeito Estufa de Canoas.